Syna Performance - HIERARQUIA TEÓRICA DO DESENVOLVIMENTO


Respeite o Processo!


Na publicação de 2002 “What Is Fitness?”, a CrossFit sugeriu uma hierarquia teórica para o desenvolvimento de um atleta. Essa hierarquia começa com a nutrição e passa para o condicionamento metabólico, a ginástica, o levantamento de peso e, por fim, o esporte.

A progressão da Metodologia Crossfit reflete amplamente a dependência fundamental, a habilidade e, até certo ponto, uma teoria geral do desenvolvimento.


A metodologia Syna Performance tem, como um dos seus pilares, a Hierarquia do Desenvolvimento sugerida pela Crossfit, entre outros pilares que serão explicados em diversas postagens do nosso Blog.


Nutrição é a base da pirâmide. A qualidade e os elementos constituintes da dieta de um atleta influenciam o metabolismo e, portanto, os fundamentos moleculares do músculo, osso e sistema nervoso. Por esse motivo, qualquer sistema de treinamento que não considere e corrija devidamente a dieta de um atleta ficará abaixo do ideal. O treinamento de longo prazo depende de uma base sólida de suporte nutricional.


O segundo nível da pirâmide refere-se à suficiência cardiovascular. Sem um condicionamento metabólico eficaz, um atleta irá fatigar prematuramente. Como resultado, a força e a coordenação do atleta não atingirão todo o seu potencial, e o desenvolvimento posterior pode ficar prejudicado. Uma linha de base da capacidade cardiovascular deve estar presente para o sucesso na maioria dos esportes e outras atividades físicas.


Subindo a pirâmide, o terceiro nível - ginástica - concentra-se na consciência espacial do atleta e no controle do corpo. Antes de tentar controlar um objeto externo (barra, bola, oponente, etc.), o atleta deve primeiro possuir a força, flexibilidade, coordenação, equilíbrio e agilidade para mover seu próprio corpo através de diversas posições do corpo e combinações de movimentos com o corpo.


O quarto nível considera o controle de objetos externos - por exemplo, levantamento de peso e arremesso. As capacidades construídas nos níveis de condicionamento metabólico e ginástica podem ser aplicadas a um objeto além dos limites do próprio corpo do atleta. O controle de objetos externos geralmente se baseia em padrões motores grosseiros que atuam como pontes de ligação para transferir energia do centro do corpo para as extremidades. Uma vez dominada, essa habilidade pode ser refinada para os padrões diferenciados e específicos necessários para esportes individuais.


Com esta base desenvolvida, o atleta pode, então, focar com segurança e facilidade a preparação física geral nas tarefas especializadas exigidas de esportes específicos. As novas exigências do esporte - novas posições corporais e padrões de movimento, controle dinâmico de objetos externos, fadiga e outros estressores físicos e psicológicos - servem ainda para refinar o conjunto de habilidades e a capacidade geral do atleta.Por esta razão, os atletas são incentivados a aprender e praticar novos esportes regularmente.


Embora não possamos ordenar deliberadamente esses componentes, a natureza frequentemente o fará. Apesar das limitações teóricas deste modelo, é uma ferramenta muito útil para analisar as fraquezas dos atletas. Um atleta com uma deficiência em qualquer nível da pirâmide acabará por descobrir que os componentes localizados acima dessa deficiência sofrerão por sua vez. Se um atleta está lutando com uma habilidade ou movimento ou atingiu um patamar no esporte ou no treinamento, esse modelo hierárquico pode ser usado para investigar e determinar onde o atleta pode estar deficiente em um dos componentes fundamentais do desenvolvimento atlético. A partir daí, um atleta pode solucionar problemas e continuar melhorando em termos de capacidade e desempenho.


fonte: https://www.crossfit.com/essentials/theoretical-hierarchy-of-development

102 visualizações